À pesca com o Flávio

A pesca desportiva é maravilhosa, mas com um bom amigo ainda é melhor.

Neste vídeo venho-te relatar uma pescaria na companhia do meu amigo e aluno do curso SEGREDOS DE PESCA, Flávio.
Que para grande alegria minha se revelou uma companhia fantástica.

Pescar acompanhado

Não é muito habitual eu levar alguém comigo à pesca.
Por variadíssimas razões mas a principal é eu temer que algo possa acontecer com o companheiro (pois já aconteceu) e nunca consigo estar descansado durante a pesca.

Normalmente quando vou à pesca não estou muito preocupado se vou apanhar peixe ou não.
Gosto dos desafios que os pesqueiros e mar e meteorologia constantemente me apresentam.
Tento em todas as jornadas de pesca desportiva aprender sempre mais um pouco.
Mas tenho que admitir que queria que o Flávio tirasse uns peixes, mas a segurança dele nunca me saía da cabeça.

pesca desportiva

Fomos espreitar o mar no alto de uma falésia e eu aponto para um pesqueiro lá no fundo e pergunto: Que tal irmos para aquela pedra (eu só queria ver a reacção dele ao olhar lá para baixo e não perceber como lá chegaríamos) ao que o Flávio logo respondeu: Bora.

Assim que começamos a descer apercebi-me logo de que ele andava com um grande à vontade.
Nem as alturas nem a descida quase em rapel o incomodavam, fiquei mais tranquilo e lá fomos.

Condições adversas

Chegámos ao pesqueiro propriamente dito, as condições estavam longe de ser as melhores.
Mar muito parado águas meio esverdeadas.
Montamos as canas e começamos a “sondar” o pesqueiro com o pião.
Sem sentirmos um único toque durante muito tempo, mais de meia hora quando eu me apercebi de um puxão na bóia do Flávio.
Mas foi um puxão para o lado e não para baixo tanto que ele nem se apercebeu.
Foi quando eu sugeri que fizéssemos a primeira alteração nas nossas montagens, e assim foi.
O Flávio sempre muito interessado no porquê das alterações.
Pois ele gosta muito de aprender, é daquelas pessoas que dá gosto ensinar.
Pois aprende muito rápido, é um excelente aluno. Alteração feita canas na agua e logo começamos a lutar com alguns peixes.
Que alegria para mim ver o meu amigo a tirar uns bons peixes para a sopa.
Mas também rapidamente as capturas começaram a ficar muito espaçadas.
O mar estava a cair ainda mais, tinha-mos que voltar a alterar a pesca.
Pois de outra forma estaríamos só a alimentar os peixes.
Assim foi.

Adaptação


Resumindo para não te estar a maçar muito, o mar “obrigou-nos” nas poucas horas de pesca a alterar as montagens pelo menos quatro vezes.
Para conseguirmos manter algum ritmo nas capturas.
O que acabou por ser um dia perfeito para ambos. Aprendermos mais um pouco com os peixes.
E como bónus ainda levamos uns peixinhos para a sopa.
Resta-me agradecer a excelente companhia do meu amigo Flávio que veio de tão longe mostrar o que aprendeu no curso.

Se gostaste deste artigo e queres aprender como ler o mar, como escolher um pesqueiro, saber o que é uma feição e porquê que esta é muito importante, e muito mais, inscreve-te no nosso curso de segredos de pesca clicando aqui. (página de inscrição)

Para saberes mais sobre o nosso curso clica aqui


Abraço MM

Manuel Monteiro

Manuel Monteiro tem mais de vinte anos de experiência em pesca desportiva pela qual é apaixonado, especialmente á pesca aos sargos e mais de dez anos a trabalhar numa loja da área.

Website: https://segredosdepesca.com/oferta

    4 Comentários

    1. José Presumido

      Estar na companhia do mestre é outra coisa. Parabéns Manel. Abraço.

    2. Manuel de Sousa

      Caro Manuel Monteiro,
      Boa noite.
      Vi agora o seu video e permita-me que, com todo o respeito e admiração que me merece, lhe faça uma critica construtiva. De facto, é sempre bonito pescar com um amigo e ex-aluno. Mas sendo o Manuel Monteiro um defensor acérrimo da segurança na pesca, o que subscrevo, e sendo o pesqueiro na base duma arriba, verifico a inexistência de colete por parte daquele. Perdoe-me a critica construtiva, mas essa seria a primeira “exigência” para o amigo poder pescar consigo. Claro que tudo depende da capacidade económica de cada um, mas às vezes gasta-se tanto dinheiro mal gasto (o que não quer dizer que seja o caso do seu amigo) e esquece-se a segurança. “Há pescar e pescar, há ir e voltar”.
      Continue o seu valioso trabalho de informação.
      Respeitosos cumprimentos.
      Manuel de Sousa

      • Boas Manuel
        Muito obrigado pelo seu comentário e pelo seu feedback.
        É verdade você tem toda a razão.
        E um dia que volte a levar alguém comigo o colete vai ter de ser um requisito mínimo.
        Abraço MM

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *