A minha paixão pela pesca ao Achigã.

Achigã, esta foi a espécie que aprendi a amar pescando.

Comecei ainda adolescente, era um pescador generalista, mas aos primeiros contactos com os achigãs fiquei fã.
Desde meados dos anos 80 do século passado que me dedico quase exclusivamente a esta maravilha da Natureza.

Certamente o que mais me apaixona é poder responder às condições que encontro quando abordo uma massa de água em busca de achigãs.
Adquiri muitos conhecimentos que tenho partilhado com muitos iniciados e que agora quero ir deixando aqui para todos os que queiram trilhar este
caminho.
A quantidade de iscos artificiais e de formas de os animar dá-nos muitas armas…
Armas demais, digo eu, se não soubermos o que fazer com elas.
É esse um dos motivos da minha paixão: eu chego à água, avalio as condições presentes e tenho imediatamente várias respostas…
Claro que só posso usar uma técnica de cada vez e isso vai determinar o sucesso ou insucesso, se não conseguir «montar o puzzle», ou seja, se não encontrar uma opção a que os achigãs respondam.
Se não consigo, não dou o tempo por perdido, até porque se aprende
sempre.

Paixão pelo achigã

Essa é outra das coisas que me apaixona: o saber que tenho sempre margem para prosseguir aprendendo, com a certeza de que nunca vou saber tudo.
Eu gosto dessa perspetiva.
Espero que também goste.
Há dias em que não vamos conseguir capturas, e essa é outra das poucas certezas na pesca…

Mas há mais coisas que me fascinam nesta espécie.
Mas a forma como ataca as amostras de formas tão diversas, surpreendendo-nos muitas vezes.
Tanto pode ser brutal como subtil e nós temos de perceber.
Mas a forma como lutam é o que mais me cativa.
Nunca sabemos o que o peixe vai fazer depois de preso.
Uma coisa é certa, eles vão fazer tudo por tudo para se libertarem daquela coisa que os prende contra a sua vontade.
Nós temos de saber contrariar a sua tentativa de fuga.
Não é que seja uma luta muito longa, mas é demasiado intensa, ao
ponto de a nossa adrenalina responder…

Sendo um predador de topo, o achigã adota formas de caçar que são comuns a quase todos os outros predadores.
Tanto caça só, deambulando pela água, como se junta em cardumes, como
se deixa ficar quieto à espera de presas para as surpreender.
Sabe usar muito bem a luz e sabe tirar partido do seu habitat, conhecendo-o e ocupando um espaço como se fosse a sua casa.
Além destes atributos é também uma espécie que atinge tamanhos consideráveis, para a água doce.
A busca de um troféu é outra das minhas paixões, gosto de me superar.

Venham comigo nesta aventura, eu ajudo o mais que puder, até porque aprendo muito com isso.

Manuel Monteiro

Manuel Monteiro tem mais de vinte anos de experiência em pesca desportiva pela qual é apaixonado, especialmente á pesca aos sargos e mais de dez anos a trabalhar numa loja da área.

Website: https://segredosdepesca.com/oferta

    1 Comentário

    1. Antonio Marques

      Fico a aguardar com expectativa relatos de experiência e dicas sobre esse tipo de pesca, tanto da margem como embarcado.
      Um abraço e até sempre.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *